Rk Motors
0
RK Motors - Tudo para seu carro, moto ou caminhão. O seu guia automotivo!
RK Motors - Tudo para seu carro, moto ou caminhão. O seu guia automotivo!
Saber calcular o frete para cargas de caminhões não é uma tarefa muito fácil. Entenda como fazer esse cálculo corretamente

Cargas para caminhões: como é calculado o frete?

Publicado em 12/06/2021, por RK Motors

Saber calcular o frete para cargas de caminhões não é uma tarefa muito fácil. Entenda como fazer esse cálculo corretamente

camioneiro na estrada calculo frete caminhão - RK Motors

 

Toda transportadora e todo caminhoneiro pode encontrar problemas para calcular o frete de cargas de um caminhão. Não por acaso, até porque muitos fatores influenciam no preço que se deve cobrar.

 

Você sabe dizer, por exemplo, o que considerar ao definir o preço de um frete? Conhece os tipos de cargas? Já ouviu falar na Tabela de Frete da ANTT? Pois bem, essas são informações preciosas quando falamos sobre esse assunto.

 

É exatamente sobre elas e muito mais que vamos falar a seguir. Durante alguns parágrafos, tentaremos destrinchar essa questão tão importante, e ao mesmo tempo, tão confusa para alguns.

 

Vamos lá?

 

Entenda como calcular o frete para cargas de caminhões

O cálculo do frete para caminhões exige cuidados. Afinal, ele precisa ser justo tanto para o caminhoneiro quanto para o contratante.

 

Para isso, é importante verificar a Tabela de Frete da Agência Nacional de Transportes Terrestres, a ANTT, órgão que regula, supervisiona e fiscaliza atividades de prestação de serviços, bem como da infraestrutura de transportes. Essa tabela estabelece um preço mínimo que deve se cobrar por serviços de transporte de cargas.

 

modo, sempre que alguém vai calcular um frete tendo, como base, a Tabela de Freta da ANTT, é preciso se apoiar em três informações. Estamos falando sobre o tipo de carga a se transportar, sobre a distância a se percorrer para a realização do frete e, por fim, o número de eixos que o veículo carrega.

 

Com essas informações em mãos, basta multiplicá-las para obter o piso mínimo que se deve cobrar. Clique aqui e conheça a Tabela de Frete da ANTT.

 

Vamos pensar em um caso hipotético. Supomos que o tipo de carga seja granel, o número de eixos seja 3, e que a distância a se percorrer seja de 250 quilômetros. Basta, então, multiplicar os valores: 1,17 (custo por quilômetro e por eixo, de acordo com a tabela) por 3 (número de eixos) por 250 (número de quilômetros), resultando em R$ 877,50.

 

Como se pode ver, não é tão difícil. Ressaltando, no entanto, que a Tabela de Frete da ANTT determina o valor mínimo que se deve cobrar. Ou seja, não obriga o caminhoneiro a adotar aquele valor, dando-lhe a possibilidade de cobrar mais caro.

 

É bom lembrar, aliás, que há ferramentas gratuitas que calculam o preço do frete pela internet.

 

Custo de transporte

Além de saber como determinar o valor do frete para caminhões, existe a necessidade de saber o que significa custo de transporte. Embora muita gente não sabe, isso é muito mais do que as despesas que se relacionam com o transporte de cargas, como atividades de coleta, entrega e transferência.

 

Os custos de transportes devem aparecer quando se faz o cálculo do frete para cargas de caminhões. Se isso não ocorre, o caminhoneiro ou a transportadora acaba sofrendo com prejuízos – é por isso que a Tabela de Frete da ANTT estabelece o preço mínimo; a partir dela, surge uma série de variáveis.

 

Essas outras variáveis você conhece logo abaixo, ao longo dos próximos parágrafos.

 

Segurança, operações, coleta, transferência e entrega

Há, por exemplo, os custos que se referem à segurança das operações. Afinal, caminhões estão sujeitos a acidentes, bem como a danos e perdas.

 

Por isso, existe o Gerenciamento de riscos de roubos, o GRIS, que oferece seguros facultativos e custos operacionais para o gerenciamento de riscos, bem como para custos como rastreio e o monitoramento de cargas.

 

E também há a Gestão de Riscos e Acidentes e Avarias, o frete-valor, que diz respeito a custos com seguros em geral. Além disso, ele também se relaciona com indenizações, quer seja por perdas, quer seja por danos que os seguros não cobrem.

 

Já os custos sobre coleta, transferência e entrega se dividem em dois grupos: os fixos e os variáveis. Os fixos não dependem da distância dos trajetos, e valem até mesmo para quando os veículos não estão em movimento, como o IPVA, o licenciamento, o seguro DPVAT e outras questões do veículo, o salário e demais benefícios do motorista e mais.

 

Já os custos variáveis se referem à quilometragem percorrida, como o combustível, o lubrificante, os pneus, os pedágios e mais.

 

Administrativos e adicionais

Quando se fala em custos administrativos, se fala naquelas despesas que não estão, necessariamente, ligadas ao transporte de cargas. No entanto, sem elas a empresa não funciona.

 

Pense, por exemplo, nos custos gerais. Aí, estão as tarifas de água, luz, internet e telefone, os impostos e até mesmo a manutenção das dependências. Sem falar dos salários, bem como do pagamento aos fornecedores.

 

Já os custos adicionais surgem de acordo com cada operação e garantem uma maior segurança em cada serviço. A reentrega, por exemplo, acontece quando é preciso fazer mais de uma tentativa de entrega.

 

A dificuldade de entrega, por sua vez, ocorre quando o lugar tem difícil acesso, enquanto a escolta armada surge quando a carga possui um valor muito elevado ou está na mira de ladrões.

 

A armazenagem se refere à necessidade de manter a carga armazenada por mais tempo além do que foi previsto, e a cubagem acontece quando a carga é muito volumosa, mas tem um peso baixo, tomando todo o espaço do caminhão antes mesmo de se atingir o peso máximo. E a devolução de produtos, por fim.

 

Pois bem, esse é realmente um assunto complexo e que exige muitos cuidados. O ideal é que a transportadora ou o caminhoneiro tenha muita cautela ao definir o preço de um frete para carga do seu caminhão, analisando cada questão com calma.

 

Desse modo, o preço fica justo para quem contrata e para quem executa o trabalho. E isso, no fim das contas, é o mais importante, não é mesmo?

 

Vídeo





LEIA MAIS: